Transplante Capilar

Calvície masculina: O que é?

A calvície masculina é tecnicamente chamada de alopecia androgenética que é a rarefação capilar causada por queda acentuada dos cabelos sem reposição dos mesmos é o tipo mais comum de perda de cabelo. Pode ter início a partir dos 16 ou 18 anos no final da puberdade ou ainda no começo da segunda década de vida. Existe uma evolução contínua e irregular, isto é, com períodos de perdas mais acentuadas intercaladas com períodos de estabilização. A perda lenta e progressiva ocorre por 10 a 25 anos. Embora o processo evolua por toda a vida, normalmente, a calvície se “estabiliza” em torno dos 45 anos. No entanto, cerca de 30% da população masculina calva pode experimentar a queda de cabelo significante quando alcança os 40 anos. A calvície é uma realidade que afeta, aproximadamente, 20% dos homens na idade de 20 anos, 50% aos 50 anos e 80% aos 80 anos.

Como regra geral, quanto mais cedo se inicia a queda capilar, mais severa a calvície se tornará, sabe-se que cerca de 70% dos homens e 15% das mulheres irão apresentar algum grau de calvície durante a vida.

Por que ocorre?

Fator Genético: Fator genético de origem genética, a calvície é portanto, causada por fatores hereditários advindos do lado materno, paterno ou de ambos. Esta “tendência genética” pode pular uma geração inteira ou afetar um irmão e outro não. O que acorre é que quando apenas um dos lados, o pai ou a mãe possui o código genético da calvície os filhos podem ter ou não a mesma patologia. Contudo, se ambos os lados apresentarem esta genética, dificilmente os filhos não serão calvos. O processo da calvície ocorre devido a uma progressiva e lenta miniaturização do folículo que leva a diminuição do comprimento e diâmetro do cabelo, ou seja, a transformação de fios grossos em fios finos e cada vez mais curtos. Na evolução do processo de miniaturização, ainda observa-se a mesma quantidade de raízes vivas, mas com a geração de fios menores e mais fracos e a visibilidade do couro cabeludo através dos mesmos. É nesta fase que geralmente os portadores da calvície percebem que estão com menos cabelos.

Fator Hormonal: Os hormônios sexuais também têm um papel importante na calvície. A testosterona reage com uma enzima chamada de 5-alfa-redutase tipo II, presente nos folículos, transformando-se em dihidrotestosterona, ou DHT. Sabe-se que os homens tem 40% mais receptores para 5-alfa-redutase na região frontal e que possuem 3,5 vezes mais 5- alfa-redutase do que as mulheres. Isto explica porque na maioria das vezes a calvície masculina inicia-se pela região frontal. A DHT é 5 vezes mais potente que a testosterona e é ela quem age no folículo capilar levando à miniaturização do fio de cabelo, sua produção aumenta com o início da puberdade, porém sua quantidade é igual nos pacientes calvos e não calvos. Apenas a DHT é maior nos calvos. Não existe aumento de testosterona na corrente sanguínea dos pacientes calvos, o que ocorre é uma sensibilidade dos receptores celulares de certas regiões do couro cabeludo, a DHT nos pacientes que possuem herança genética para a calvície. Os homens da raça branca apresentam uma incidência de calvície quatro vezes maior do que os homens das raças negras e orientais. Além das causas genéticas, existem ainda outros fatores que podem levar à queda de cabelo, tais como: estresse, alguns medicamentos, quimioterapia, diabetes, dermatite seborréia, doenças da tireóide, infecções graves, dietas rigorosas e outras. Pode ser ainda proveniente de queimaduras ou traumas.

Como ocorre?

A calvície é uma combinação de hereditariedade, influenciada por múltiplos fatores genéticos e da ação de um hormônio, a dihidrotestosterona (DHT), sobre as raízes capilares. Os cabelos que geralmente são afetados pela ação da DHT, situam-se nas regiões frontais, topo e coroa. Por isso, as regiões laterais e posteriores do couro cabeludo são chamadas áreas doadoras. Elas são permanentes e não afetadas pela DHT.

Ciclo de vida dos cabelos

O ciclo biológico do cabelo é dividido em três fases: Crescimento (Anágena), Repouso (Catágena) e Queda (Telógena). ANÁGENA é a fase do crescimento do fio. Uma pessoa adulta possui normalmente 80% dos cabelos presentes no couro cabeludo nessa fase. CATÁGENA é a fase aonde o fio de cabelo para de crescer e a parte mais profunda do folículo capilar torna-se menor, movendo-se em direção ao couro cabeludo. No adulto aproximadamente 1% dos cabelos estão nessa fase. A duração deste período é de poucas semanas. TELÓGENA é a fase da queda. No final deste processo o cabelo cai, mas normalmente antes disso ocorrer, um novo fio de cabelo já deve estar nascendo em seu lugar. Em um couro cabeludo saudável, deve-se encontrar algo em torno de 20% dos cabelos nesse estado.

Saiba mais

• Pessoas com cabelos escuros e densos possuem cerca 150 mil fios .
• Pessoas com cabelos claros e finos possuem em torno de 100 a 130 mil fios.
• Um fio de cabelo cresce por um período médio de 2 a 8 anos.
• Perder de 70 a 100 fios de cabelos por dia é normal.
• Os cabelos crescem cerca de um centímetro por mês.
• No ser humano cada fio de cabelo está em uma fase independente. Caso contrário, haveria uma queda total dos cabelos no final de cada ciclo, deixando o indivíduo calvo.
Graus da calvície
• A calvície masculina é classificada em 7 tipos principais, segundo Hamilton-Norwood

Mitos sobre a calvície

Diferentemente do que prega a crença popular, a calvície não ocorre por circulação pobre, lavagens freqüentes do cabelo ou uso de chapéus e bonés. O que pode acontecer devido a estas práticas, é desencadear patologias no couro cabeludo como seborréia que contribui para a queda de cabelo.

Calvície Feminina

A calvície feminina, chamada de alopecia androgenética feminina ou padrão feminino da perda de cabelos – é tão comum quanto a masculina, porém menos severa e de uma apresentação clínica totalmente diferente. Mulheres também possuem hormônio masculino, porém em menor quantidade, e apresentam predisposição genética para a queda dos cabelos.

Aproximadamente 25% delas entre 25 e 40 anos e 50% acima dos 40 apresentam algum grau de calvície. Somente 20% dos casos têm relação com o histórico familiar. Já com as mulheres perda dos cabelos geralmente se inicia após a puberdade, quando os hormônios sexuais começam a ser produzidos. A evolução é lenta e o mais comum é ocorrer uma rarefação difusa dos cabelos, que se tornam fina e tem seu tamanho diminuído. Dificilmente a mulher chega a ficar careca, mas isso pode acontecer em casos de maior intensidade e em mulheres de idade mais avançada. O quadro pode se tornar mais intenso se a mulher apresentar alterações hormonais, como a síndrome do ovário policístico ou o hirsutismo. Os fatores desencadeantes também podem ser: desordem hormonal, incluindo início ou interrupção de uso de anticoncepcional, pós-parto e período pré e pós menopausa.

O que é Transplante / Implante capilar?

O transplante capilar é ainda, chamado erroneamente de implante de cabelo ou implante capilar. O implante define o procedimento artificial enquanto transplante define o procedimento natural. Portanto, o transplante capilar é o procedimento no qual são retirados fios de uma região do couro cabeludo, para que sejam recolocados na região da cabeça atingida pela calvície. É feito com cabelos naturais (da própria pessoa) e apresenta resultados totalmente naturais e definitivos, através das novas técnicas como a folicular, que reproduz na área calva o mesmo tipo de implantação e distribuição que existe na área doadora do indivíduo. Os cabelos duram para toda vida e podem ser cuidados naturalmente como se fosse o cabelo original.

Esta técnica é composta de três etapas:

• Remoção de uma área doadora do couro cabeludo que não contenha o código genético para a calvície;
• Divisão da área retirada em unidades de 1, 2 e 3 fios;
• Transplante dessas unidades para a área receptora calva.

Como os fios transplantados não contêm o código genético para a calvície, eles nunca mais cairão. Portanto, o resultado deste procedimento é para a vida toda.

Técnica Folicular (Fio a Fio)

A técnica folicular é um método de restauração capilar que consiste em transplantar da área doadora (região posterior ou lateral do couro cabeludo) para a área calva, apenas unidades foliculares (UF). Ou seja, ao contrário do que se possa imaginar, os cabelos não nascem fio por fio do couro cabeludo e sim, em grupos de 1, 2, 3 ou até 4 fios denominados de unidades foliculares, cada UF é composta, além dos fios por glândula sebácea, sudorípara, bulbos capilares(raízes) e músculo eretor do pelo.

Vantagens da Técnica Folicular

As vantagens da técnica folicular empregada no transplante de cabelo são inúmeras: Praticamente não há sangramento, devido à delicadeza do material e da técnica utilizada. Recuperação pós-operatória mais rápida e indolor. Propicia ao paciente uma vida normal, podendo inclusive voltar ao trabalho no dia seguinte (após a retirada do curativo), desde que sua atividade não requeira esforço físico. Colocação de fios de cabelo extremamente perto uns dos outros. Possibilidade de colocar 4.000 até 10.000 fios em cada etapa. Distribuição mais natural, seguindo a inclinação do seu antigo cabelo. Não existe deformidade na superfície da pele, onde o cabelo nasce com total naturalidade. Melhor oxigenação folicular levando a um crescimento de cabelo saudável.

Pós-operatório

Pequenas crostas se formam em cada enxerto posicionado e, costumam cair de 5 a 10 dias após o procedimento. Os novos fios transplantados irão cair dentro de 2 a 3 meses, porém as raízes permanecerão e darão origem aos novos fios, que começam a aparecer a partir de 4 meses da cirurgia. Complicações são raras. Pequenas infecções podem ocorrer, raramente, ao redor dos cabelos transplantados e respondem a antibióticos, normalmente (Foliculite). Na área doadora ocorre, geralmente, uma cicatriz discreta, facilmente coberta pelos cabelos vizinhos. Pacientes podem apresentar discreta insensibilidade nas áreas doadora e receptora e que, usualmente, desaparecem nas semanas subseqüentes. No pós-operatório, os pacientes recebem analgésicos para aliviar algum desconforto nas noites seguintes os pontos serão retirados após 15 dias as atividades físicas e exposição ao sol serão permitidas após 30 dias.

A técnica FUE



FUE: Transplante capilar sem cicatriz O termo FUE significa Follicular Unit Extratíon em inglês. Em português, extração de Unidades Foliculares. É uma técnica de obtenção dos fios da área doadora conhecida como Transplante de Cabelos “sem cicatriz”.


VANTAGENS DA TÉCNICA FUE

Não deixa uma cicatriz linear na área posterior possibilitando o uso de cabelos bem curtos após a cirurgia
É uma cirurgia minimamente invasiva com baixíssimo risco cirúrgico (realizada com anestesia local)
Menos traumática
Não há necessidade de internação
Pode ser realizada em casos de pouca elasticidade de couro cabeludo
Utiliza toda área doadora possível de cada paciente aumentando o número de fios doadores
Recuperação pós-operatória mais rápida, possibilitando a volta às atividades normais e físicas em menor tempo. Ex: atletas Pode ser realizada também em áreas fora do couro cabeludo como barba;
Pode corrigir cicatrizes, inclusive a cicatriz prévia de uma cirurgia de transplante capilar
Pode ser combinada com a técnica convencional da faixa na mesma cirurgia aumentando a quantidade de folículos obtidos


A técnica FUT

O termo FUT significa Follicular Unit Transplantation, indicada para casos de calvície profunda, o FUT retira da área doadora, através de uma incisão com o bisturi, uma parte de couro cabeludo, de acordo com as necessidades do paciente. Ideal para pacientes que desejam resultados rápidos numa única giga sessão. A cirurgia é minimamente invasiva, realizada com anestesia local e sedação leve e o paciente pode ter alta no mesmo dia.

Uma incisão linear é realizada para retirar uma faixa da área doadora
Aproveitamento máximo do banco doador (maior volume)
Sutura tricofítica camuflada, deixando-a imperceptível, o que permite o paciente retornar as suas atividades as suas atividades imediatamente
Indicada para homens e mulheres de todos os tipos de cabelo
Utilizada apenas no couro cabeludo e área pubiana
Cirurgia realizada com cabelo usual
Período de recuperação do cabelo do 4º mês ao 8º mês
Naturalidade fio a fio
O FUE não se trata de uma “Nova Técnica de Transplante Capilar”, mas sim um novo método para complementar e não substituir a técnica FUT.


Transplante de Sobrancelha

Por conta de retiradas excessivas dos pêlos, cicatrizes, doenças dermatológicas, acidentes, queimaduras ou más formações congênitas, é possível aparecer falhas parciais ou totais nas sobrancelhas, importantíssimas para a harmonia e expressões faciais. O transplante de sobrancelha consiste em retirar pelos do couro cabeludo é transplantar nas sobrancelhas, corrigindo as falhas e remodelando os desenhos das sobrancelhas. Como a técnica utiliza pelos verdadeiros e do próprio paciente, os resultados tendem a ser mais naturais.

Transplante de Cílios

Os cílios tem como função proteger os olhos de lesões e poeiras, além de completar a composição facial. Esse procedimento é ideal para quem tem poucos fios nos cílios, para quem perdeu por algum motivo e até mesmo para quem deseja aumentar o volume dos cílios. A técnica utilizada para transplante de cílios é similar a dos outros transplantes.

Transplante de Barba

Indicado tanto para homens que não possuem barba tanto para aqueles que possuem barbas falhas ou ralas, o transplante de barba soluciona o problema de homens que deseja barbas fartas e densas. As barbas também camuflam cicatrizes e defeitos da face. O procedimento do transplante consiste em retirar fios do couro cabeludo e transplantá-los para a área da barba ou do bigode. Os resultados tendem a serem muito satisfatórios, naturais e duradouros.

Tratamento de Alopécia Cicatricial

A alopecia cicatricial pode ser definida como primária ou secundária. A primária pode acontecer por conta de processos congênitos, autoimunes e/ou inflamatórios e/ou infecciosos. Já a alopecia cicatricial secundária pode acontecer por danos sofridos pelo couro cabeludo, como: queimaduras, exposição à produtos químicos e infecções, tratamentos neurocirúrgicos, cirurgias faciais.